Negritude é tema de exposição no Museu do Ingá

Dentro das comemorações da Semana da Consciência Negra, o Museu do Ingá abriu ao público a exposição “Negro (R) existe: protagonismo e representações”. Na mostra, estão reunidas 33 obras, entre telas e esculturas, das coleções Arte e Tradições Populares e Banerj.

Apesar de não dialogar entre si, as obras reunidas formam um panorama que apresenta aspectos da cultura, religiosidade e cotidiano dos negros no Brasil. Dessa forma, estimula a reflexão sobre questões como o período pós-abolição, a exclusão social e a luta por igualdade que perdura até hoje.

Destacam-se na exposição os trabalhos do baiano Mestre Tamba, da pernambucana Ana das Carrancas e do niteroiense José Igino. Os três são artistas negros e protagonizam a mostra, sendo eles próprios um retrato da resistência afrodescendente no Brasil, já que driblam os obstáculos de suas origens humildes por meio da arte e da criatividade.

Entre as representações, o carnaval, as religiões de matriz africana e a favelização são temas em evidência, demonstrando o papel do negro na formação cultural e urbana brasileira.

A exposição pode ser visitada de terça a sexta, de 12h às 17h, e nos sábados e domingos, de 13h às 17h.

Podem ser agendadas visitas mediadas, por telefone (2717-2903) ou por e-mail (museudoingaeducativo@gmail.com).

A entrada é franca.