Presidente
Presidente

 

 

José Roberto Gifford é engenheiro civil de formação e gestor público com quase 40 anos de experiência. Desde 2019 é presidente da Fundação Anita Mantuano de Artes do Estado do Rio de Janeiro - FUNARJ e responsável por inúmeras iniciativas.

Entre elas, o Protocolo de Segurança Sanitária do Estado do Rio de Janeiro; a plataforma digital FUNARJ Em Casa; Prêmio de Montagem Teatral; Cine Tela; Prêmio FUNARJ de Produção de Curta-Metragem; Prêmio FUNARJ de Dança; Cine Mário Lago; Visita Guiada - Museu do Ingá; Edital Ondas da Cultura; Prêmio Rio de Contos - FUNARJ e LER; Prêmio FUNARJ de Música Ao Vivo; Reativação da Casa de Cultura Laura Alvim; Prêmio FUNARJ de Clipes Musicais; Prêmio FUNARJ de Esquetes; Projeto Fim de Tarde; Exposição A Afirmação Modernista e Auto de Natal.

Antes de assumir a presidência da FUNARJ, José Roberto foi superintendente de Audiovisual da Secretaria de Estado de Cultura entre 2017 e 2018. Sob seu comando foram produzidos diversos projetos, como Sessão de Cinema com o filme “João, o Maestro” para 300 internos da Penitenciária Lemos Brito, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio, com a presença do cineasta Luiz Carlos Barreto, produtor do longa, e do maestro João Carlos Martins, cuja vida é relatada no filme. O longa conta a história de superação do maestro e foi tema de palestra entre os presentes.

Entre outras iniciativas: o Dia de Cinema, exibindo filmes para crianças e adultos nas Bibliotecas Parque; o Lab Curta, com 12 curtas-metragens, sendo 7 deles produzidos na Baixada Fluminense. Também, sob sua gestão, ganhou vida o projeto Cinema na Praça, com exibição de filmes infantis gratuitos em praças de comunidades carentes.

José Roberto foi um dos fundadores da Distribuidora de Filmes S.A. - Riofilme. Atuou em dois períodos, entre 1992 e 1994, como diretor administrativo e financeiro e, depois, entre 1999 e 2001, como assessor da presidência e diretor administrativo e financeiro.

Em 1995, José Roberto foi para o Governo do Estado do Rio de Janeiro atuar como diretor geral do Departamento Geral de Administração da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro - FAPERJ e depois como vice-presidente e presidente da Superintendência de Desportos do Estado do Rio de Janeiro - SUDERJ, entre 1996 e 1998.

Esteve envolvido em projetos sociais, como o Criança Feliz, voltado para a iniciação esportiva e oficina de artes para crianças de 40 comunidades carentes do Estado do Rio de Janeiro, entre outras funções inerentes ao posto. 

Como diretor administrativo e financeiro implantou a Fundação Rio, ligada ao Instituto Municipal de Arte e Cultura - RioArte, entre 1985 e 1992, também foi responsável pela criação do Espaço Cultural Sérgio Porto, além de exercer todas as demais funções pertinentes ao cargo.