Domingo é dia de feira no Museu do Ingá

Neste domingo, 25/09, das 10h às 14h, o Museu do Ingá, espaço da Secretaria de Estado de Cultura/FUNARJ, abre seu jardim para a 10ª Primavera dos Museus, promovida pelo IBRAM, para homenagear a feiras livre como o lugar da cordialidade, de legumes, frutas, verduras, cuscuzes e cocadas que fazem a festa na mesa da gente. Sobretudo, como espaço da criatividade, que garante a sobrevivência dos mais pobres, gerando uma gama variada de empregos e intermediações, e destacando-se como uma forma importante no abastecimento das cidades.

Haverá apresentações culturais, leilão e música. Serão, ao todo, 12 barracas com comida, artesanato e obras das oficinas de papel artesanal e gravura do Ingá.
Numerosas, as feiras coexistem com os hipermercados e com as vendas online, ganhando, em alguns casos, o status de patrimônio público: “lugar de memória e de continuidade de saberes, fazeres, produtos e expressões artísticas tradicionais”.

De acordo com Milton Santos, a feira constitui o “circuito inferior” da economia caracterizado por formas de fabricação, de prestação de serviços e de comércio não-modernos e de pequena dimensão. É o lugar da venda a varejo e da barganha, ecoando e ressignificando práticas humanas seculares.

Em sua racionalidade a feira funde sujeira, beleza, novidade e tradição ao cheiro dos alimentos frescos. Mistura laços de fidelidade e de amizade tecidos ao longo do tempo entre feirantes e fregueses, fazendo girar a roda da economia, somente com as “artes do grito”, e dos bordões usados para seduzir o cliente.

Por tudo isso, Museu também é lugar de feira.