Final de Festvilla 2016 lota Teatro João Caetano

“Alvorada-redenção”, dos alunos Igor Esteves e Gabriel Ramos, ficou em 1º lugar. “Arte da terra”, do aluno Jandivison Santos, conquistou a melhor canção no voto popular.

Foi uma noite inesquecível para a Escola de Música Villa-Lobos. Com o Teatro João Caetano lotado, o FestVilla 2016, a 16º edição do festival da canção, apresentou os dez finalistas, emocionou o público e ainda brindou a noite com três apresentações extras, Casuarina, Agita Samba e a Fina Batucada.

Os grandes vencedores desta edição foram:

1º lugar – “Alvorada-Redenção”, de Igor Esteves e Gabriel Ramos

2º lugar – “Trova da maestria”, de Ricardo Maia

3º lugar – “Só o amor”, de Pablo Henrique

Melhor canção voto popular – “A arte da terra”, de Jandivison Santos

Melhor Intérprete – Igor Esteves

Melhor Instrumentista – Gabriel Ramos

A comissão julgadora da grande final do FestVilla 2016 foi formada pelo pianista, compositor e arranjador Leandro Braga, a harpista Cristina Braga, o crítico musical Túlio Villaça, o jornalista Fernando Pimentel, e o cantor e professor da Escola de Música Villa-Lobos, Marcos Marques.

Parabéns a todos os competidores que subiram ao palco do Teatro João Caetano e animaram a noite da melhor forma possível, a todos os demais que participaram em todas as fases do festival, a todos os excelentes profissionais que se dedicaram na equipe de produção, técnica, do corpo de jurados, a todas as instituições parceiras e apoiadoras, Tribo do Som, Musical Carioca, Casa Oliveira de Música, Barletta Massas Artesanais, Secretaria de Estado de Cultura, FUNARJ, Biblioteca Parque Estadual, a lista é imensa!

E claro, agradecimentos especiais a todo mundo que lotou o Teatro João Caetano e prestigiou esta celebração da união entre músicos e amantes da música!

Viva a música!

As dez canções finalistas

As dez canções foram selecionadas em duas fases, Passaporte e Eliminatórias, em que concorreram um total de 102 concorrentes.

São elas: Arte da Terra, de Jandivison Santos; Alvorada-redenção, de Igor Esteves e Gabriel Ramos; Choro de São João, de Maya Pÿnnapel; Sumindo, Fernanda Fehr e André Salomão; Das delicadezas, de Renan Chaves e Carolina Turboli; Temer, de André Salomão; Cheiro de traição, de Hugo Sanchez e André Salomão; Trova da maestria, de Ricardo Maia; e Rio de Prazer, de Antônio “Stoppa” de Pádua.

A ordem de apresentação foi a seguinte:

1º) Arte da terra, de Jandivison Santos
2º) Rio de prazeres, de Antônio “Stoppa” de Pádua
3º) Das delicadezas, de Renan Chanves e Carolina Turboli
4º) Temer, de André Salomão
5º) Alvorada-redenção, de Igor Esteves e Gabriel Ramos
6º) Cheiro de traição, de Hugo Sanchez
7º) Só o amor, de Pablo Henrique
8º) Choro de São João, de Maya Pÿnnappel
9º) Trova da maestria, de Ricardo Maia
10º) Sumindo, de Fernanda Fehr