João Assis Brasil celebra pianistas/compositores do século XX na Sala Cecília Meireles

Música

Em "Todos os Pianos", o pianista João Carlos Assis Brasil faz um tributo a colegas de instrumento que se revelaram grandes compositores ao longo da história da música no século XX.

Entre o choro, a bossa, o samba, o jazz,

Assis Brasil concebe suítes reunindo obras de Ernesto Nazareth, Chiquinha Gonzaga, Gershwin, Cole Porter, Michel Legrand.

A adoração pela música no cinema é registrada em duas suítes, uma de Nino Rota, o compositor favorito de Fellini, com os temas de "Os Boas Vidas", 'Amarcord". A outra Suíte Cinematográfica reúne Chaplin, de "Luzes da Ribalta" e Hupfield, de "Casablanca". O flerte com o popular estende-se ainda a compositores cujas obras, ainda que não compostas para o instrumento, adequam-se a este, pelos dedos devocionais de Assis Brasil. É o caso da "Suíte Melodistas Brasileiros", que aproxima o Cartola de “As Rosas Não Falam” e o cânone bossa-novista de Luiz Bonfá e Antônio Maria, “Manhã de Carnaval”, da placidez e (in)quietude impressionistas. Completam a suíte obras de adeptos extemporâneos do piano no samba, Francis Hime, “Minha” e Antonio Carlos Jobim, “Retrato em Branco e Preto”.

Um dos compositores mais presentes na discografia de João Carlos é seu irmão, o saxofonista Victor Assis Brasil, um dos maiores instrumentistas de jazz brasileiros em todos os tempos. Morto em 1981, Victor deixou um legado vigoroso de temas executados em todo o mundo, muitos deles revelados depois da morte do autor pela dedicação de João Carlos a manter viva a herança do irmão. "Prelúdio em Sol Menor" e "Valsa do Reencontro" são os dois temas de Victor interpretados por João em "Todos os Pianos".

Dias da semana: Sexta

Elenco Quando Ingressos Endereço