“Ópera Piedade” enfoca Euclides da Cunha na Sala Cecília Meireles

Música

A ópera retrata, poética e musicalmente, a tragédia que culminou na morte do escritor Euclides da Cunha.

“Piedade” é a terceira ópera do compositor João Guilherme Ripper, que tem em seu catálogo as óperas “Domitila” (2000), sobre as cartas de amor de D. Pedro I e a Marquesa de Santos e “Anjo Negro” (2003), sobre peça homônima de Nelson Rodrigues, “Onheama” (2014) e “O diletante” (2014), sobre peça homônima de Martins Pena. A obra é baseada no conhecido caso que culminou com a morte do escritor Euclides da Cunha no bairro de mesmo nome. Euclides tornara-se famoso com publicação em 1902 de seu livro “Os sertões”, em que relata a saga de Antônio Conselheiro na Guerra de Canudos. Em uma de suas constantes viagens para demarcação das fronteiras brasileiras, sua esposa Anna da Cunha envolveu-se com Dilermando de Assis, cadete do exército, que contava então com 17 anos. Notícias do romance não tardaram a chegar aos ouvidos de Euclides e a história real possui ainda diversos episódios, como o nascimento de um filho de Anna e Dilermando na casa de Euclides.

O desfecho dramático, que a imprensa à época batizou de “A tragédia da Piedade”, se deu na manhã de um domingo, dia 25 de agosto de 1909, quando Euclides chegou armado à casa de Dilermando, onde Anna havia passado a noite. Euclides vinha “para matar ou morrer” e, já na entrada, feriu com um disparo na nuca Dinorah, jogador do Botafogo e irmão de Dilermando. Seguiu-se uma intensa troca de tiros entre o escritor e Dilermando, que mesmo gravemente ferido, atingiu mortalmente Euclides da Cunha.

Ao escrever “Piedade”, João Guilherme Ripper procurou retratar poética e musicalmente a tragédia e seus personagens: Euclides da Cunha, barítono; Anna da Cunha, soprano; Dilermando de Assis, tenor. É importante ressaltar que se trata de uma obra artística e não de um documentário sobre o caso. Assim, o compositor sentiu-se desobrigado a reproduzir os fatos com exatidão, mas procurou delinear a partir dos episódios mais relevantes o caminho que levou ao desfecho dramático e à morte de Euclides da Cunha.

Autoria: João Guilherme Ripper

Direção: Daniel Herz

Elenco: Laura Pisani, soprano, como “Anna da Cunha” Daniel Umbelino, tenor, como“Dilermando de Assis”. Homero Velho, barítono, como “Euclides da Cunha” Priscila Bomfim, piano e regência

Dias da semana: Sexta, Sábado

Elenco Quando Ingressos Endereço